NOTÍCIAS
compartilhar este link
Notícias pelo mundo

13/12/2019 16:40:13
Notícias pelo mundo

06/12/2019 16:45:44
Notícias pelo mundo

29/11/2019 16:49:04
Clima favorece pomares

08/02/2019 11:36:47
Greening perto de zero

21/05/2018 11:12:28
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
07/10/2019
Pesquisa do Fundecitrus identifica o volume de calda ideal

Fundecitrus - 07/10/2019 - Recomendações permitem pulverizações mais assertivas, com ganhos econômicos e ambientais no controle do psilídeo


O controle químico do psilídeo, inseto vetor do greening, é uma ação fundamental para o manejo da doença. Buscando aumentar a eficiência das aplicações, uma pesquisa do Fundecitrus avaliou os volumes de calda de 25, 40 e 70 mL de calda/m³ de copa em frequências de aplicação semanais, quinzenais e mensais.

“Os resultados indicam o volume de calda ideal para as diferentes frequências e permitem pulverizações mais assertivas, com ganhos econômicos e ambientais”, avalia o pesquisador do Fundecitrus Marcelo Miranda, responsável pelo trabalho.

Em áreas com frequência de pulverização de sete dias, a recomendação é utilizar volume de calda de 25 mL/ m³ de copa. Para pulverizações quinzenais e mensais, recomenda-se 40 mL/m³ de copa, pois esse volume de calda apresenta período de controle semelhante ao de 70 mL/m³ de copa.

“Não há ganho significativo no controle do psilídeo com o volume de 70 mL/m³ de copa”, diz Miranda.

A pesquisa testou ainda volume de calda de 25 mL/ m³ de copa com correção de dose para 40 mL/m³ de copa e não houve ganho efetivo na eficiência do controle. Assim, para este volume não há necessidade de correção de dose.

Sustentabilidade

Embora o cinturão citrícola de São Paulo adote alta frequência de pulverizações para o controle do psilídeo, a quantidade de inseticida utilizada por área por aplicação é significativamente menor do que a usada em países da América Latina e também na Flórida (EUA). Isso ocorre porque nesses locais as doses (ml inseticida/L de água) dos produtos são maiores (2-8 vezes) e o volume utilizado é até duas vezes superior. Assim, em São Paulo, uma propriedade que realiza aplicações quinzenais chega a utilizar 65% menos ingrediente ativo por hectare por ano quando comparada a propriedades destes países que realizam uma aplicação mensal.